quarta-feira, 8 de julho de 2009

Cartões Corporativos da presidência lembra? Então...dobraram os gastos


Os gastos com cartão corporativo da Presidência somaram no primeiro semestre R$ 3,787 milhões. Se comparado com o mesmo período de 2008, quando os gastos foram de R$ 1,867 milhão, as despesas praticamente dobraram. Os dados constam no Siafi (sistema de acompanhamento dos gastos públicos).

Segundo reportagem do jornal "O Globo", a Presidência também aumentou os gastos sigilosos que não são detalhados no Siafi e não apresentam a indicação do responsável pela despesa. Do total de saques com cartão registrados no Siafi no primeiro semestre deste ano, 99% não têm identificação do responsável.

Foi apontado em abril que entre janeiro e março deste ano os gastos do governo federal com cartões corporativos cresceram 142% em relação ao mesmo período de 2008.

O levantamento foi realizado por técnicos do PSDB com base em dados do Siafi. A pasta da Justiça, do ministro Tarso Genro, apresentou o maior aumento no uso do cartão.

Os dados apontam que as despesas passaram de R$ 4.910.363 no primeiro trimestre do ano passado para R$ 11.898.160 em 2009. Os saques em dinheiro com os cartões também aumentaram, saltando de R$ 2.195.9390 para R$ 4.407.625 - um crescimento de 100%.

De acordo com a pesquisa do primeiro trimestre, o Ministério da Justiça foi a pasta que apresentou maior aumento no uso do cartão. No início de 2008, gastou R$ 149,6 mil. De janeiro a março de 2009, usou R$ 2,2 milhões, um incremento de 1.397%. O que chama atenção nas despesas do ministério é que 78% foram sacados em dinheiro.

No ranking dos maiores gastadores, a Presidência da República ficava em segundo lugar. As despesas com os cartões aumentaram 242% - passando de R$ 1.228.692 em 2008 para R$ 4.205,956 - de um ano para outro.

Na época, o Ministério da Justiça informou que 90% dos gastos eram relativos aos cartões da Polícia Federal. Segundo a pasta, esse aumento se explica porque a PF não tinha cartão corporativo em 2008 - o mecanismo foi adotado em 2009.
Fonte: Folha de São Paulo

2 comentários:

  1. e não tomam vergonha...affee!!!!

    ResponderExcluir
  2. Estão se lixando para a opinião pública. Ele têm certeza da impunidade, então por que parar de gastar? Estão se aproveitando e enchendo a conta bancária com dinheiro público.

    ResponderExcluir

Visitantes Globais