quarta-feira, 26 de maio de 2010

Pedida a cassação da deputada ¨da bolsa¨


A deputada distrital Erika Kokay (PT) pediu nesta terça-feira (25) a cassação do mandato de Eurides Brito (PMDB) por quebra de decoro parlamentar. Responsável pela relatoria do caso na Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa do Distrito Federal, a petista afirmou que as investigações revelam fortes indícios de que houve "lesão ao erário, formação de quadrilha e improbidade administrativa". O relatório será analisado na quinta-feira (27), às 10h, pelos integrantes da comissão.

Dos oito deputados titulares envolvidos no mensalão do ex-governador José Roberto Arruda, como indica o inquérito 650DF, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), somente Eurides enfrentou processo por quebra de decoro. Ela foi flagrada em vídeo colocando dinheiro de propina na bolsa, após receber R$ 30 mil das mãos do ex-secretário de Relações Institucionais do DF, Durval Barbosa, em 2006. A gravação veio à tona em 28 de novembro do ano passado, um dia depois da Operação Caixa de Pandora ser realizada pela Polícia Federal.


Júnior Brunelli (PSC) e Leonardo Prudente (sem partido, ex-DEM) renunciaram para não enfrentar processo por quebra de decoro. O primeiro, além de receber dinheiro do mensalão, de acordo com o inquérito 650, também aparece em um vídeo fazendo a "oração da propina". Já Prudente foi filmado colocando um maço de dinheiro na meia. Os processos contra outros cinco distritais - Rogério Ulysses (sem partido, ex-PSB), Aylton Gomes (PR), Benedito Domingos (PP), Rôney Nemer (PMDB) e Benício Tavares (PMDB) tiveram os processos congelados.

A apuração do envolvimento de Eurides no mensalão levou 91 dias. A relatora do caso se baseou no inquérito 650, nos laudos periciais da Polícia Federal - um deles confirma que não houve montagem ou edição no vídeo -, nos relatórios de busca e apreensão feitos na casa e no gabinete da peemedebista e nos nove depoimentos de acusação e defesa prestados à comissão. Qualificado como duro, o parecer ganhou força, de acordo com Erika, com as decisões judiciais recentes proferidas contra Eurides.

Segundo a relatora, as diligências e os depoimentos colhidos durante o processo evidenciaram várias contradições e não sustentaram a defesa apresentada pela distrital afastada. O processo contra Eurides Brito tem 12 volumes e mais de 2 mil páginas. Já o relatório apresentado nesta terça-feira conta com 126 páginas. A parte conclusiva do documento tem cerca de 20 páginas. A divulgação integral do seu conteúdo foi vetada pelo presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, Aguinaldo de Jesus (PRB).

Fonte: Congresso em foco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visitantes Globais