sábado, 23 de janeiro de 2010

Brasil piora muito em educação. O exemplo vem de cima.

Relatório da Unesco diz que Brasil tem baixos índices na educação básica
A queda, do 76º para o 88º lugar entre 128 países, ocorreu principalmente em razão da piora no índice de crianças que chegam até a quarta série. Segundo a Unesco, de 80,5%, em 2005, o percentual caiu em 2007 para 75,6%.

Com isso, o IDE (Índice de Desenvolvimento Educacional) do Brasil, caiu de 0,901 para 0,883 em uma escala de 0 a 1, o menor entre todos os países do Mercosul. Isso mantém o país em um patamar considerado mediano pela Unesco.

O IDE é composto pelas taxas de alfabetização de adultos, igualdade de gênero, matrícula na educação primária e sobrevivência na escola até a quinta série -no caso do Brasil, foi considerado o dado relativo à quarta série.

Os primeiros lugares ficaram com Noruega, Japão e Alemanha. Os últimos, com Etiópia, Mali e Niger, todos no continente africano.

Repetência

Um dos piores indicadores brasileiros mostrados pelo relatório é a repetência.
Com 18,7% de taxa de reprovação no ensino fundamental no ano de 2005, de acordo com o relatório, o Brasil só perde nesse quesito para 13 países que fazem parte da África subsaariana.

No dado mais recente, relativo a 2007, essa taxa estava em 12,1% segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão ligado ao Ministério da Educação.

Em relação ao investimento em educação, o Brasil gastava em 2005 menos de um quarto do que os países considerados como desenvolvidos: US$ 1.257 por aluno contra US$ 5.312 por aluno.

O coordenador da Unesco no Brasil, Paolo Fontani, ressaltou a alta taxa de repetência, mas avaliou que o Brasil se saiu bem no relatório ao ter sido bem avaliado no combate ao analfabetismo e na distribuição de recursos, como o Fundeb -fundo que recebe recursos da União, Estados e municípios e viabiliza o financiamento da educação em locais mais pobres.
Procurado para comentar o relatório, o Ministério da Educação afirmou que está analisando os números mas que, de qualquer forma, todos eles se referem ao período anterior ao lançamento do PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação), o chamado "PAC da Educação", que ocorreu em 2007.

Fonte: Folha de S.Paulo

2 comentários:

  1. offtopic
    Amigo(a)
    Quero pedir perdão por, mais uma vez, estar invadindo sua privacidade com esta mensagem, mas estou dando continuidade a divulgação de Fichas Suja desta vez divulgando a:
    “Lista dos Senadores com Ocorrências na Justiça e nos Tribunais de Contas”
    Afinal se não conseguirmos aprovar o Ficha Limpa temos “detonar” os Ficha Suja!
    Peço que visite o meu blog, copie a lista e poste no seu ou divulgue através de sua lista de emails, esta chegando a hora da gente reagir contra os inimigos do Brasil.
    http://caranovanocongresso.blogspot.com/2010/01/senadores-com-ocorrencias-na-justica-e.html
    2010 chegou! O Brasil espera que façamos nossa parte limpando o congresso!
    Agradeço sua atenção
    Lord

    ResponderExcluir
  2. A verdadeira (não a que aparece nas estatística pomposas do governo) educação pública no Brasil é medíocre! Precisamos não Programas fabricadores de números, mas sim de escolas que formem um processo educativo libertador!
    Enquanto não se pensar nisso como uma atitude a ser tomada com urgência, estaremos imersos em diversas "anomalias" sociais. Pois, só com um povo instruído poderemos evoluir!

    ResponderExcluir

Visitantes Globais