quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Gilmar Mendes libera 10 suspeitos por desvio de dinheiro. Esse Ministro adora soltar pilantra.


O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, reconduziu dez deputados estaduais de Alagoas a seus cargos. Eles são suspeitos de participarem de um esquema de desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa do Estado.

Os deputados estavam afastados de seus cargos desde março de 2008 por decisão do desembargador do TJ (Tribunal de Justiça) de Alagoas Antônio Sapucaia da Silva. Entre os beneficiados pela decisão de Mendes estão o ex-presidente da Assembleia de Alagoas, Antonio Albuquerque (sem partido) e cinco ex-integrantes da Mesa Diretora da Casa.

Mendes também suspendeu a decisão do desembargador do TJ-AL de interromper o pagamento dos servidores comissionados incluídos na folha de pagamento da Assembleia de Alagoas cujos atos não tenham sido publicados no "Diário Oficial" do Estado. Ele manteve a indisponibilidade dos bens dos parlamentares.

Para justificar a decisão, Mendes lembrou que não existe previsão constitucional de cassação de mandato parlamentar por determinação do Poder Judiciário. Observou ainda que "tendo em vista o caráter temporário dos mandatos parlamentares, a determinação de afastamento de deputado estadual de suas funções, até que se conclua determinado processou ou fase processual, pode convolar-se em cassação indireta do mandato, haja vista que o parlamentar poderá passar todo o período para o qual foi eleito, ou parte considerável dele, afastado de suas funções".

A decisão de Mendes beneficia os deputados Cícero Amélio (PMN), Nelito Gomes de Barros (PMN), Edival Gaia Filho (PSDB), Maurício Tavares (PTB), Dudu Albuquerque (PSB), Arthur Lira (PMN), Cícero Ferro (PMN) e Isnaldo Bulhões Júnior (PMN).

Além dos nove, a decisão atinge também o ex-deputado Antônio Hollanda (PT do B), cujo mandato foi cassado pela Justiça Eleitoral em janeiro, depois de o pedido de afastamento ter sido proposto.

Operação Taturana

Os parlamentares alagoanos são investigados pela Operação, deflagrada pela Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público. O operação investiga um esquema de sonegação fiscal, obtenção fraudulenta de financiamentos bancários e lavagem de dinheiro.
Segundo a Receita, a estrutura criminosa que atuava na Assembleia Legislativa de Alagoas e causou prejuízo de R$ 200 milhões aos cofres federais nos últimos cinco anos.

fonte: Folha de São Paulo

3 comentários:

  1. Walter, parabéns pelo blog, ótimos textos, ganhou um leitor.
    Esse Gilmar deve ter o rabo preso, não é possível ele liberar esses pilantras, o Marcos Valério, Nagi Nahas, Celso Pita...
    Parece que voltamos 500 anos na história e temos aquela corte corrupta, na verdade, nada mudou.
    abs

    Silvio "envergonhado" Camilo

    ResponderExcluir
  2. Analice Ribeiro Pavan15 de janeiro de 2009 21:48

    Boa Ministro.
    Agora aproveita, dá um pulo em Bangú 1 e 2 e solta mais uns 300.
    Vergonha de ser brasileira nessas horas.

    ResponderExcluir
  3. Leopoldo Moura Santos16 de janeiro de 2009 16:22

    Esse Gilmar Mendes não tem vergonha? Será que ele não pensa ou age com bom senso e justiça?
    Tenho dó dele.

    ResponderExcluir

Visitantes Globais